As Qualidades de um Yoga terapeuta

Uma analogia apropriada para Yoga terapia é um pássaro cujas duas asas devem se mover em sincronia para que o processo de cura no Yoga se desenrole de forma otimizada. Uma asa é a compreensão das ferramentas, técnicas e metodologias. A outra asa é a visão da Yoga terapia como uma jornada de cura, tanto para o terapeuta quanto para quem recebe. Esta segunda asa é apoiada pelo cultivo de qualidades essenciais, como escuta atenta. É a integração dessas qualidades, juntamente com um conhecimento profundo das técnicas, que permite ao Yoga terapeuta praticar de forma autêntica.

 A seguir está uma elaboração dessas qualidades: 

Serviço para humanidade: sevā

O Yoga terapeuta recebe uma compensação justa pelos serviços profissionais, mas também cultiva uma atitude de serviço altruísta; uma visão de cura maior do que seus próprios objetivos, desejos e necessidades pessoais. Por meio dessa visão, o terapeuta torna-se uma personificação da cura para seus clientes, a comunidade e, em última instância, para toda a humanidade. 

Enraizamento: dṛḍha bhūmiḥ

O Yoga terapeuta cultiva o enraizamento e a estabilidade em todos os níveis do ser. Isso começa com o corpo físico, onde se desenvolvem a força e a estabilidade para ajudar nas posturas com confiança. Esse enraizamento se estende ao nível psicoemocional, onde nossa prática consistente de centramento e estabilidade nos permite enfrentar os desafios apresentados pelos que recebem a Yoga terapia com segurança e confiança. 

Autocura: svacikitsā

O Yoga terapeuta apoia a capacidade intrínseca de todos os alunos para despertar seu próprio potencial inerente para a autocura. A confiança no processo de autocura começa com os próprios terapeutas, à medida que transformam sua própria saúde em todas as dimensões do ser através do Yoga.

Presença Consciente: upasthiti

Presença consciente é a arte de estar presente em cada momento. O Yoga terapeuta está ciente do passado do aluno, bem como de seus próprios padrões de condicionamento. O Yoga terapeuta também tem uma visão do futuro em termos de objetivos de cura para o aluno. A Yoga terapia, no entanto, só ocorre no momento presente, com o terapeuta totalmente consciente de tudo o que está acontecendo dentro dele e do aluno em todos os níveis do ser. Esta presença é caracterizada por uma intensa curiosidade em relação ao processo de cura do aluno, juntamente com a presença constante de sua própria luz de cura. 

Escuta atenta: śravaṇaṃ

Na Yoga terapia eficaz, o terapeuta raramente oferece conselhos ou opiniões, mas escuta com atenção e sensibilidade o que seus alunos estão comunicando para responder de forma adequada. Essa escuta envolve atenção cuidadosa ao que é comunicado e repetição de postos-chaves para maior clareza e também para permitir que o aluno ouça o que está expressando de forma clara. Há também um nível mais profundo de escuta intuitiva que se desenvolve ao longo da jornada espiritual do próprio terapeuta. Uma compreensão intuitiva do ser humano que nos permite “ver” toda a história de vida do aluno, em todas as dimensões e as suas necessidades de cura, além do que está sendo comunicado. 

Comunicação consciente: vāca kauśalaṃ

À medida que nossas habilidades de escuta se aprofundam, também aprendemos a responder ao que ouvimos com mais sensibilidade e sempre dentro da estrutura da jornada do aluno e dos objetivos de cura. A comunicação consciente começa com a repetição do que o aluno disse de forma clara e construtiva. A comunicação consciente continua com a habilidade de fazer perguntas que levam a uma maior consciência por parte do aluno, em vez de oferecer conselhos ou sugestões. A comunicação consciente também está presente no desenvolvimento de planos de cura de uma forma que é co-criativa em vez de prescritiva. 

Uso consciente das técnicas: upakaraṇā kauśalaṃ

O Yoga terapeuta tem uma compreensão profunda de uma ampla gama de ferramentas da Yoga terapia, incluindo asana, pranayama, mudra, meditação e Yoga nidra, bem como a estrutura filosófica e histórica na qual eles evoluíram. O terapeuta também tem um conhecimento profundo da anatomia, fisiologia e cinesiologia em relação aos efeitos e benefícios dessas ferramentas. Além disso, o Yoga terapeuta tem uma compreensão dos processos da doença e cura, tanto da perspectiva ocidental quanto da ayurvédica. O uso consciente das técnicas é a integração perfeita de todas essas áreas de conhecimento dentro da luz da sabedoria intuitiva do Yoga. 

Paciência: sahana

O processo de cura é único para cada indivíduo. Não pode ser apressado e, como as asas da borboleta, deve desabrochar como parte de um processo de transformação em que todas as fases de cura ocorrem natural e progressivamente. O terapeuta deve estar atento para nunca precipitar esse processe em nome da realização de objetivos a curto prazo. 

Entusiasmo: utsāha

O Yoga terapeuta está familiarizado com todos os aspectos do Yoga como uma metodologia de cura, mas também tem uma tendência natural de gravitar em torno de uma área ou áreas específicas. O Yoga terapeuta cultiva seus pontos fortes e áreas de interesse e é apaixonado por sua área de especialidade, seja o corpo físico, o corpo sutil ou o corpo psicoemocional. Esse entusiasmo apoia o aluno a desenvolver ânimo em seu próprio processo de cura. 

Prática Pessoal Comprometida: sādhanā

Uma prática projetada para as necessidades do indivíduo geralmente fornece uma cura ideal. A maneira mais eficaz do terapeuta criar uma prática pessoal para os outros é desenvolver sua própria prática individual consistente e avaliar cuidadosamente como ela atende às suas necessidades. 

Autoestudo e estudo das escrituras: svādhyāya

O Yoga terapeuta facilita a jornada dos alunos, através de ampliar as suas perspectivas de si mesmo e da vida como um todo. Esse processo começa quando o terapeuta explora áreas de limitação, dor e sofrimento em sua própria vida, permitindo-lhe facilitar de forma prática a jornada do autoestudo dos outros. Este processo de autoestudo se baseia em uma compreensão profunda das escrituras sagradas do Yoga, incluindo os Yoga Sutras de Patanjali, o Bhagavad Gita, os Upanishads e os textos do Hatha Yoga.

Simplicidade: saralatā

Quando começamos a oferecer Yoga terapia, pode haver uma tendência de apresentar muitas ferramentas e técnicas para atingir “o máximo de cura”. Para uma Yoga terapia eficaz, no entanto, menos geralmente é mais, e oferecer algumas ferramentas e técnicas de forma completa e autêntica geralmente será mais útil. Essa simplicidade reflete uma clareza crescente dentro da própria jornada do terapeuta, na qual ele começa a explorar muitas técnicas e, com o tempo, aprende a simplesmente descansar na simplicidade de sua própria natureza essencial. 

Generosidade: dāna

O Yoga terapeuta mantém limites apropriados em termos de tempo e energia para evitar esgotamento. O terapeuta também apresenta o material em um ritmo que é facilmente acessível para o aluno. Ao mesmo tempo, ele oferece todo o seu conhecimento e compreensão do Yoga generosamente, mostrando que o conhecimento do Yoga é universal e pertence a toda a humanidade. O autoconhecimento é o futuro evolucionário da humanidade. 

Compaixão: karuṇa

Compaixão é a habilidade de ver claramente que todos os seres buscam a felicidade e evitam o sofrimento nos limites de seu entendimento. A maioria busca a felicidade apenas no mundo material, tentando conseguir o que gosta e evitar o que não gosta. Como Yoga terapeutas, honramos esse ponto de partida, reconhecendo com compaixão que também buscamos a felicidade por meio de nosso ambiente. Mas, com o tempo, através da luz do Yoga, percebemos que felicidade que buscamos está dentro de nós. Ao respeitar o ponto de partida e a essência naturalmente lenta do processo, podemos ver que todos, incluindo nós mesmos, estamos em uma jornada de cura. Para alguns, a jornada é predominantemente direcionada para a cura física, enquanto para outros, é emocional, enquanto todos eventualmente chegam a ver que aquela que representa a cura definitiva é o encontro com nosso Ser real, como reflexo da inteligência Divina no coração de toda a criação.

Consciência da Testemunha: sākṣitvaṃ

Na Yoga terapia pode surgir no processo aluno uma ampla gama de sentimentos, emoções e sensações, tanto positivas quanto negativas. O Yoga terapeuta testemunha esses sentimentos no aluno sem julgamento, criando um espaço onde eles podem ser expressos e integrados no próprio tempo do aluno. Qualquer tentativa de forçar o processo de desabrochar da borboleta pode resultar na incapacidade de abrir as asas plenamente e de voar. Mesmo que o terapeuta apoie a consciência da testemunha no aluno, ele também aprofunda essa habilidade em relação aos seus próprios pensamentos, sentimentos e crenças que surgem no processo de Yoga terapia. 

Equanimidade: samatva

A equanimidade é um dos resultados mais importantes de nossa capacidade de testemunhar de forma consciente e consistente. Pois é esse testemunho consistente que revela os vasanas, as crenças profundas que nos impedem de reconhecer nosso verdadeiro Ser, cuja própria natureza é a equanimidade. Com crescente equanimidade, somos capazes de descansar nas profundezas calmas de nosso ser interior, independente do que está acontecendo no nível superficial das sensações, pensamentos e sentimentos que surgem na Yoga terapia e na vida diária. 

Integridade: arjava

Uma faceta essencial da integridade na prática de Yoga terapia é permanecer em nossa autenticidade como terapeutas dentro na visão de Yoga, onde a saúde é a integração do corpo, mente e espírito. Dentro dessa visão, oferecemos a Yoga terapia como práticas de Yoga ideais para as necessidades individuais em todos os níveis do ser, em vez de prescrever técnicas específicas de Yoga para curar doenças. Integridade também é reconhecer quando somos capazes de trabalhar com um aluno de forma eficaz e quando é apropriado encaminhar esse aluno para outro profissional com uma especialização específica.

Cura multidimensional: pañca kośa chikitsi

O Yoga terapeuta mantém uma visão da pessoa como um todo, de modo que, mesmo que esteja se concentrando no corpo físico, também enxerga, sente e responde às necessidades do aluno nos níveis energético, psicoemocional, de sabedoria e espiritual. Essa perspectiva multidimensional, enquadrada no modelo dos cinco koshas, ​​cultiva naturalmente uma maior consciência no terapeuta de todas as dimensões envolvidas no processo de cura. O modelo dos cinco kosha também traz consciência para cada uma dessas dimensões dentro do aluno, abrindo-se naturalmente para a cura multidimensional. 

Intuição: nidhyāna

O Yoga terapeuta tem uma ampla gama de ferramentas e técnicas para avaliar as necessidades do aluno, junto com um entendimento teórico e técnico delas, que é essencial para a prática da Yoga terapia. Além desse entendimento técnico, a intuição desempenha um papel importante em saber como e quando empregar essas ferramentas e técnicas na jornada do aluno. A intuição se expressa por meio de um conhecimento intrínseco que surge espontaneamente no terapeuta, em comunhão silenciosa com o seu próprio ser interior, e através de uma comunicação intuitiva com o ser interior do aluno. 

Criatividade: pratibhā

A Yoga terapia é uma arte e uma ciência, e com cada grupo ou indivíduo que encontramos, aprendemos e ensinamos algo de uma maneira completamente nova. Esta abertura para a Yoga terapia como um campo de possibilidades infinitas permite uma tremenda criatividade, mantendo nosso ensino atualizado, vivo e relevante para as necessidades individuais de cada aluno. A criatividade é especialmente relevante em relação todos nós, que praticamos e ensinamos Hatha Yoga, pois o espírito de criatividade, junto com a manutenção da tradição, formou a base do renascimento do Yoga na década de 1920. Muitos dos aspectos desse renascimento, como a instrução de Yoga para chefes de família, para mulheres e para várias castas, foi uma adaptação completamente única e criativa do Yoga às necessidades da vida moderna.

 

Autonutrição: svapoṣaṇa

Seremos capazes de nutrir os outros apenas na medida em que somos capazes de nutrir a nós mesmos. Esta autonutrição é multidimensional dentro do modelo dos cinco koshas. Nutrimos o corpo físico com uma dieta ideal, estilo de vida e prática diária de Yoga. Também recebemos trabalhos corporais e outras técnicas de cura para manter sempre em mente a importância do relacionamento terapêutico. No nível do corpo energético, o terapeuta se vale de técnicas de cura do corpo sutil para equilibrar os chakras, garantir o fluxo ideal dos pranavayus e equilibrar os nadis, de modo que o sol e a lua estejam harmonizados. A nutrição energética também é apoiada pela conexão regular com a natureza e fontes de energia.

No nível psicoemocional, nos nutrimos por meio de descanso e de controle do estresse na forma de Yoga Nidra regular e outras práticas de relaxamento. Também reservamos um tempo para brincar e explorar os mistérios da vida. No nível de sabedoria, reduzimos gradualmente nossa identificação com crenças e tendências negativas que causam tensão e desarmonia, libertando-nos, assim, do conflito interno e externo que nos impede de nos nutrir. No nível da bem-aventurança, a liberação da negatividade nos permite nutrir com pensamentos positivos e energia que refletem nosso verdadeiro Ser, permitindo-nos alinhar com a Fonte Divina, a própria essência da nutrição. À medida que nos nutrimos, podemos modelar essa cura multidimensional para nossos alunos por meio de nossas palavras e de nossa presença energética. 

Gratidão: kṛtajñā

Gratidão é reconhecer a vida, incluindo seus desafios, como um presente precioso, uma oportunidade rara e única de valorização e aprendizado. Este reconhecimento do valor inerente da vida nos ajuda a aceitar e abraçar cada experiência conforme ela se apresenta a cada momento. Ao modelar essa qualidade para nossos alunos, abrimos-lhes a possibilidade de desabrochar suas próprias possibilidades únicas de gratidão e apreciação, que é uma faceta essencial da cura.

Liberdade interior: kaivalya

Kaivalya significa literalmente estar sozinho mas, no contexto da Yoga terapia, pode ser traduzido como autonomia absoluta por meio da liberdade de todas as crenças condicionadas que formam a personalidade limitada. É essa autonomia que nos permite reconhecer claramente nossa unidade absoluta com toda a criação e, a partir dessa unidade, interagir continuamente em um espírito de compaixão, paz e harmonia. Kaivalya nos permite viver e trabalhar com uma sensação de leveza e tranquilidade e ver e servir aos nossos alunos com compaixão, entusiasmo e objetividade, apoiando de forma otimizada sua jornada de cura. 

Entrega: praṇidhāna

Entrega é o reconhecimento de que existe uma inteligência abrangente no coração da criação que guia as nossas vidas. Essa inteligência nos inspirou a embarcar em nossa própria jornada de cura através do Yoga e a compartilhar essa jornada com outros por meio da Yoga terapia. À medida que nos alinhamos com esta Fonte de Energia, somos naturalmente guiados para completar nosso próprio processo de cura e apoiar outras pessoas em sua jornada. 

Fé: shraddha

A fé é o conhecimento absoluto de que o Yoga é um processo de transformação que nos curou em todos os níveis do ser. Também temos fé que o Yoga tem o poder e o potencial para curar todos aqueles que o recebem, com técnicas ideais de cura para cada aluno que encontramos.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *