Yoga e o coronavírus

Segundo a filosofia do Yoga, prakriti, o mundo material, existe com o objetivo de reconhecer purusha, o nosso verdadeiro Ser. Em outras palavras, o mundo é um campo de aprendizado que existe para o desabrochar de nosso verdadeiro Ser como propósito e destino de nossa vida. Se, como diz o Yoga, o mundo é um campo de aprendizado cujo objetivo é o despertar espiritual, quais são as lições a serem aprendidas com a atual pandemia do coronavírus? Embora reconheça plenamente a gravidade da situação e o medo e a ansiedade compreensíveis que o planeta inteiro está experimentando, também há algo de positivo que pode advir dela; existe também um ensinamento?

Refletindo sobre isso, vários temas se apresentam:

Fragilidade – Os sistemas sociais, políticos e econômicos que sustentam a vida dos seres humanos, incluindo governos, sistemas de saúde e empresas, esforçam-se por apresentar uma imagem de permanência, estabilidade e até invencibilidade. A crise atual nos lembra a nossa fragilidade e vulnerabilidade fundamentais. Este vírus é uma tragédia humana, especialmente porque tira de nós aqueles que devem ser mais valorizados, os fracos e os idosos. Comparado a outras pandemias no passado, no entanto, esse vírus não está entre os mais ameaçadores à vida. Mesmo assim, está além da capacidade de muitos governos e sistemas de saúde de lidar com isso de maneira eficaz. Do ponto de vista do Yoga, essa fragilidade é inerente ao nosso meio, que está sujeito a constantes mudanças. Essa impermanência inerentes a todas as coisas criadas são um lembrete vívido de que essa vida não é para ser um fim, mas apenas um meio para o reconhecimento de nosso verdadeiro Ser, uma fonte de força interior, de quietude e de paz, que está sempre presente, independente do que esteja ocorrendo em nosso entorno.

Interconectividade – Houve pandemias muito piores no passado, mas o mundo nunca foi tão interconectado e interdependente quanto é hoje. No passado, crises aconteciam em outros países, lugares distantes, sem relação direta com as nossas vidas. Hoje, porém, a mutação de um vírus em um mercado de animais silvestres na China quase instantaneamente se torna uma crise para todo o planeta, não apenas do ponto de vista da saúde, mas também por todas as implicações econômicas de larga escala. O Yoga nos ensina a consciência de nossa interconectividade, de que todo pensamento e ação são como pedras jogadas em um lago cujas ondas se espalham infinitamente. Portanto, o Yoga ensina a consciência em todas as nossas atividades com uma compreensão de como elas afetarão os outros e a sociedade em geral. O Yoga ensina a interconectividade de todas as coisas, de modo que nós, como espécie, não podemos mais nos dar ao luxo de agir de maneira individual ou egoísta.

Respeito à natureza – É um fato conhecido que o coronavírus pode se espalhar a partir de criações impróprias e não naturais de espécies selvagens, mas o que é menos conhecido é que esse tipo de transmissão é mais provável quando essas espécies estão sob estresse. Esse vírus se originou na China, mas o número de lugares no planeta em que a natureza está ameaçada e sob estresse é numeroso e aumenta exponencialmente. Não podemos nos separar dos ciclos e ritmos da natureza cuja essência é equilíbrio e harmonia; não podemos esperar que a natureza seja paciente conosco indefinidamente, mesmo que nosso abuso do mundo natural continue incessantemente. Este vírus não pode ser visto separadamente do desmatamento e do aquecimento global. A natureza é Gaia, uma entidade viva cujo cuidado e equilíbrio são agora uma necessidade absoluta para a sobrevivência de nossa espécie.

Simplicidade – Muitos de nós ao redor do planeta agora vivem sob restrições nas quais apenas serviços essenciais, como saúde, alimentos e medicamentos, estão funcionando. Com a maioria de nossos comércios fechados, temos a possibilidade de ver quantos de nossos desejos e necessidades realmente vão além do que é absolutamente necessário. O Yoga nos diz que a busca pela satisfação através das coisas materiais nunca será suficiente, porque o mundo material não era para ser um fim em si mesmo, mas apenas um meio de descobrir o contentamento intrínseco de nosso verdadeiro Ser. O Yoga também ensina que buscamos satisfação e felicidade em nosso entorno de maneira tão compulsiva, porque o prazer que experimentamos através das coisas materiais é um vislumbre da completa paz de nosso verdadeiro Ser que, de alguma forma, sabemos que está sempre presente e à espera. Talvez este seja um momento para refletir sobre nossos verdadeiros desejos, necessidades e prioridades, nos perguntando se a felicidade que buscamos está nas coisas materiais ou se já está realmente presente em nosso próprio Ser, mais próximo de nós que a nossa própria respiração, esperando apenas para ser reconhecido claramente.

Apreciação – Neste momento de crise, muitos estão separados das coisas que estão acostumados a fazer, coisas que proporcionam prazer e conforto, e mesmo aquelas que apoiam nosso crescimento e despertar espiritual. Algumas são coisas simples, como encontrar-se com amigos e familiares, ir a uma aula de Yoga ou outra atividade em grupo, passear no parque ou ir à praia. Talvez esse momento de distanciamento social seja um tempo para uma apreciação mais profunda dos bençoes que recebemos em cada momento da vida diária. Essa pandemia nos lembra que até a nossa respiração é um presente e que devemos viver e respirar a cada momento, mesmo os mais desafiantes, com muita gratidão e apreciação.

Autonomia e liberdade – De acordo com o Yoga, prakriti existe para purusha; toda a criação é um campo de aprendizado cujo propósito é despertar para o nosso verdadeiro Ser. O corpo é um veículo precioso para essa jornada e, em tempos de crise, é normal que a sobrevivência, tanto física quanto econômica, se torne prioridade. E embora este seja um momento para se concentrar em manter-se fisicamente saudável, também deve ser um tempo para se concentrar no objetivo e propósito finais deste corpo, que, da perspectiva do Yoga, é conhecer o verdadeiro Ser além de qualquer dúvida, teoria e questionamento, através do despertar espiritual. E enquanto o ser físico é finito, o verdadeiro Eu é infinito e imortal; é quem nós somos na realidade, quem sempre fomos e quem sempre seremos. Mesmo que valorizemos o que é finito neste momento de crise, este também é um momento para também priorizar ao que é imortal, infinito, e sempre esperando para ser visto, o nosso Ser Real, através das práticas de Yoga e Meditação,

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *